Comprometimento, motivação e outros mitos das organizações

Comprometimento total com o trabalho

Comprometimento e motivação estão entre os conceitos mais distorcidos e mal compreendidos do mundo dos negócios.

Diariamente encontramos gerentes buscando formas, muitas vezes milagrosas, para motivar seus funcionários, ou então cobrando comprometimento, exortando-os para que sejam mais engajados com o trabalho, a organização, os clientes, as metas da empresa ou qualquer outra coisa na qual possam pensar.

O que esses gerentes não sabem, ou se esquecem, é que tanto a motivação quanto o comprometimento são de natureza intrínseca, ou seja, tem origem dentro do indivíduo, algo que não pode ser imposto ou obtido através de decreto ou exortação.

É virtualmente impossível conseguir que alguém comprometa-se com a organização através de súplicas ou ameaças. Seria o mesmo que esperar ser possível simplesmente ordenar, e conseguir, que alguém sinta-se feliz, triste, faminto, saciado, disposto ou cansado – é algo que parte do indivíduo e não de uma ordem exterior.

De uma forma geral as pessoas são naturalmente engajadas e motivadas, possuem curiosidade e um desejo de realização, mas acabam perdendo essa disposição natural, às vezes irreversivelmente, por estarem sendo constantemente cerceadas e reprimidas por gerentes incompetentes.

Já foi constatado através de pesquisas que o número de pessoas ativamente engajadas nas empresas diminui quase 50%, de 35% no primeiro ano de trabalho para apenas 15% após 5 anos, enquanto que o número de pessoas ativamente desengajadas – aquelas que estão literalmente “jogando contra” a organização – sofre um aumento de 100%, passando de 10% para 20% do quadro.

Uma das únicas maneiras de evitar que isso aconteça é simplesmente parar de tentar motivar artificialmente as pessoas e dedicar-se a construir um contexto onde a motivação e o engajamento natural dos profissionais seja preservado e potencializado. A organização precisa ser capaz de parar de destruir a motivação e o engajamento intrínseco das pessoas e começar a promover um ambiente onde essas características possam se desenvolver naturalmente.

Dentre as coisas que a organização pode fazer para criar tal ambiente estão:

  • Promover feedback, respeito e reconhecimento
  • Permitir que os profissionais possam desenvolver suas carreiras de acordo com suas habilidades
  • Promover um senso de missão, propósito, valores compartilhados e objetivo da organização
  • Garantir que existam recursos necessários – tempo, ferramentas, pessoal – para que todos possam fazer o trabalho da melhor maneira possível
  • Promover um relacionamento mais transparente e próximo entre os diversos níveis da organização

Se a organização não for capaz de fazer ao menos isso, fica a dica: ao invés de exortar os funcionários a comprometerem-se com a organização ou tentar motivá-los, simplesmente não faça nada.

Como bem disse Oscar Wilde: “Fazer nada é a coisa mais difícil de se fazer no mundo. A mais difícil e a que demanda mais inteligência”

Anúncios

Um comentário sobre “Comprometimento, motivação e outros mitos das organizações

  1. Pingback: O segredo para a solução de todos os problemas da sua empresa | Luigui Moterani : repensando o fantástico mundo dos negócios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s